Metodologia 5S: Os passos eficazes para uma boa gestão!

O programa 5 S nasceu no Japão, na década de 50, logo após a Segunda Guerra Mundial.

O professor Kaoru Ishikawa e sua equipe, formularam este programa, com o intuito de colaborar na reconstrução do país. Logo, o foco era e é combater o desperdício.  E, em menos de 20 anos, uma nação destruída pela guerra, sem recursos materiais, transformou-se numa potência industrial e econômica.

Este programa traduz os princípios que são passados de pai para filho, e que fazem parte da cultural oriental. Assim sendo, em sua essência nos falam de:

• Cuidar da higiene, tanto do ambiente como de si mesmos;

• Segurança;

• Cuidar do corpo, da mente e do espírito;

• Manter o bom senso e pensar antes de agir;

• Respeito ao próximo.

Porém, precisamos fazer importantes considerações para o sucesso de sua implantação no Japão. Naquela época, os japoneses já tinham uma boa e sólida formação escolar. Uma vez que, a história nos mostra que, culturalmente já combatiam o desperdício.

Diferente do povo ocidental, são um povo com hábito/cultura de valorização do trabalho em equipe, sabendo que todo trabalho é digno. E, independente da posição hierárquica, não escolhem o que fazer por ordem de importância, enxergam apenas um trabalho que precisa ser executado, e que por esta razão, merece atenção.

Dessa forma, a metodologia favorece a sistematização dos processos, consequentemente notamos o aumento da produtividade, segurança, clima organizacional e motivação dos funcionários.

Além dos benefícios físico-organizacionais, nas estruturas que se propõe a sua implantação, há outros como: o bem-estar, prevenção de acidentes e qualidade de vida.

Até que enfim, a metodologia 5 S

Depois de entendermos a origem e os propósitos da metodologia, vamos saber o porquê da letra “S”.

O “S” corresponde as inicias das 5 palavras que formam este princípio. Quando traduzidas para o português tem um acréscimo das palavras “senso de” antes do significado literal, para que o nome original se mantenha fiél. Falando em tradução literal, podemos notar o uso de sinônimos das palavras de acordo com sua aplicação (locais).

Os 5 S são:

  1. Seiri: Senso de utilização
  2. Seiton: Senso de organização
  3. Seiso: Senso de limpeza
  4. Seiketsu: Senso de conservação
  5. Shitsuke:  Senso de disciplina

Para melhor compreendermos podemos descrevê-los assim:

1º – Senso de utilização (Seiri)

Ter noção de todas as atividades desenvolvidas em um ambiente, com suas peculiaridades, é fator determinante para organização. Somente assim, podemos otimizar os recursos, tanto humanos como materiais. Desta forma evitamos o desperdícios e ociosidade. Trabalhando com o necessário para o desenvolvimento das atividades daquele local.

2º – Senso de ordenação (Seiton)

O primeiro e o segundo senso andam de mãos dadas. A ordenação de um local, depende diretamente desta percepção e do entendimento da utilização.  Partindo deste ponto, ficam implícitos critérios de: importância e utilização, também a ordenação “física”: locais de uso e armazenamento, incluindo “tamanho’ e tipologia.

3º – Senso de limpeza (Seiso)

Este “senso” visa a limpeza. Limpar e manter o ambiente com asseio é fundamental, mas é importante que, cada um se responsabilize pela limpeza dos instrumentos* e os deixe limpos e em boas condições de uso para si e demais pessoas. O contexto desse senso é zelar pela conservação e limpeza de tudo que utilizamos.

*Entenda-se instrumentos como: quaisquer objetos, máquinas de qualquer porte ou espaço.

4º – Senso de saúde e higiene (Seiketsu)

Trata-se de uma verificação para confirmar se o programa está tendo aderência. É necessário verificar, periodicamente se não só o terceiro, como os dois outros sensos estão sendo cumpridos. Porque, um ambiente limpo e ordenado, são fatores fundamentais para saúde física e mental dos indivíduos, bem como promover a higiene.

5º – Senso de autodisciplina (Shitsuke)

Aqui devemos cumprir os procedimentos operacionais, a ética e os padrões da empresa. É o “S” mais complexo, pois através da autodisciplina podemos tornar dos princípios um hábito, porém conscientes de que mesmo um hábito ou uma rotina devem ser revistos, para que haja um constante aperfeiçoamento.

Este método rapidamente foi difundido pelo mundo. Chegou no Brasil no final da década de 80, após terem sido adotados mundialmente e passarem a atuar em conjunto as técnicas do TQC (tal Quality Control).

Em função das diferenças culturais, para que houvesse sucesso na implantação desta metodologia no Brasil, adotou-se mais 3 Ss:

Shikari Yaro: Senso de determinação e união
Shido: Senso de treinamento
Setsuyaku: Senso de economia e combate aos desperdícios

Resultando na metodologia 8 S, que são aplicados da seguinte forma:

  1. Shikari Yaro: Senso de determinação e união
  2. Shido: Senso de treinamento
  3. Seiri: Senso de utilização
  4. Seiton: Senso de ordenação
  5. Seiso: Senso de limpeza
  6. Seiketsu: Senso de bem-estar
  7. Shitsuke: Senso de autodisciplina
  8. Setsuyaku: Senso de economia e combate aos desperdícios

Estes preceitos são aplicáveis tanto no trabalho, quanto na vida. Sendo cumpridos com seriedade e determinação, trazem mais qualidade e dinâmica em todas as áreas aplicadas.
Esta história não termina por aqui. Ainda há mais 2 Ss. formando 10 S, que falam sobre responsabilidade social e crescimento do homem enquanto ser-humano. Mas, isto é outra conversa!

Acompanhe nossas publicações, e conheça esta adaptação a nossa realidade, melhorando a gestão da sua empresa!

Share